"Do tronco de Jessé sairá um rebento, e das suas raízes, um renovo" – Isaías 11.1 Obs: Comunidade localizada em São Paulo capital.

terça-feira, 18 de outubro de 2011

Deus é Santo – John Piper


“E clamavam uns para os outros dizendo: Santo, Santo, Santo é o Senhor dos Exércitos” (Isaías 6.3).
Você se lembra de como Reepicheep, o rato galante, que no final de A Viagem do Peregrino da Alvorada* navegou até o fim do mundo em seu pequeno barco de palha? Bem, a palavra “santo” é o pequeno barco em que alcançamos o fim do mundo no oceano da linguagem. As possibilidades de linguagem para transmitir o significado de Deus eventualmente jorram e transbordam sobre as bordas do mundo em direção a um abismo desconhecido. A palavra “santidade” traz-nos à beira, e a partir daí a experiência de Deus está completamente além das palavras.
O motivo pelo qual faço essa afirmação é porque todos os esforços para definir a santidade de Deus, em última análise acabam concluindo que dizer que Deus é Santo, significa dizer que Deus é Deus. Deixe-me ilustrar. O significado original de “santo” está mais pra algo que foi isolado, separado. Uma coisa sagrada é isolada/separada do uso comum (secular). Algumas coisas materiais e pessoas são santas porque são separadas do mundo e dedicadas a Deus. Nesse contexto, a Bíblia fala de uma terra santa (Êxodo 03:05), uma santa assembléia (Êxodo 12:16), dias de descanso santificados (Êxodo 16:23), uma nação santa (Êxodo 19:6); vestes sagradas (Êxodo 28:2) , uma cidade santa (Neemias 11:1), promessas santas (Salmo 105:42), homens santos (2 Pedro 1:21) mulheres santas (1 Pedro 3:5), Sagradas Escrituras (2 Timóteo 3:15), mãos santas (1 Timóteo 2:8), um ósculo santo (Romanos 16:16), e uma fé santa (Judas 20). Quase tudo pode tornar-se santo se for separado do comum e dedicado a Deus.
Mas observe o que acontece quando essa definição é aplicada ao próprio Deus. Do que você pode separar Deus para torná-lo Santo? O próprio conceito da divindade de Deus significa que Ele está separado de tudo o que não é Deus. Há uma diferença qualitativa infinita entre o Criador e a criatura. Deus é o único de seu tipo. Sui generis*. Ele define sua própria classe. Nesse sentido, Ele é totalmente Santo. Mas ainda assim, eu apenas reafirmei que Ele é Deus.
Se a santidade de um homem deriva do fato de este ter sido separado do mundo e consagrado a Deus, a quem Deus é consagrado, de modo a obter sua santidade? A ninguém mais do que Ele mesmo. É blasfêmia dizer que há uma realidade mais elevada a qual Deus deve se conformar a fim de ser Santo. Deus é a realidade absoluta e para além disso, só há mais Dele mesmo. Quando perguntado sobre seu Nome em Êxodo 3.14, Ele disse: “Eu Sou o que Sou.” Seu ser e seu caráter não podem ser determinados por qualquer coisa que esteja fora Dele. Ele não é Santo porque obedece as regras. Ele escreveu as regras! Deus não é Santo porque guarda a lei. A lei é santa porque por ela Deus é revelado. Deus é absoluto. Qualquer outra coisa é derivada.
No que consiste então, Sua santidade? Preste atenção nesses textos. 1 Samuel 2:2, “Não há Santo como o Senhor, porque não há outro além de ti.” Isaías 40:25, ” A quem, pois, me comparareis para que eu lhe seja igual? – diz o Santo”. Oséias 11:9, “Eu sou Deus e não homem, o Santo em seu meio.” No fim, Deus é Santo pelo fato de ser Deus e não homem. (Compare Levítico 19:2 e 20:07. Observe a estrutura paralela de Isaías 05:16.) Ele é incomparável. Sua santidade é a sua essência divina absolutamente única. Ela determina tudo o que Ele é e faz e não é determinada por ninguém. Sua santidade é o que Ele é como Deus, que ninguém é nem nunca será. Chame a santidade de Deus de sua majestade, sua divindade, sua grandeza, seu valor como pérola de grande preço. No fim, a linguagem não é suficiente para descrevê-lo. Na palavra “santo”, nós navegamos para o fim do mundo em absoluto silêncio de total reverência, admiração e assombro. Ainda há mais para se saber sobre Deus, mas isso está além das palavras.
“O Senhor está no seu santo templo, cale-se diante Dele toda a terra” (Habacuque 2:20).

Nenhum comentário: