"Do tronco de Jessé sairá um rebento, e das suas raízes, um renovo" – Isaías 11.1 Obs: Comunidade localizada em São Paulo capital.

terça-feira, 18 de outubro de 2011

Evangelização Teocêntrica – Keith Mathison


Quer saber se já ouvi isso uma vez, eu já ouvi isso milhares de vezes: “Um evangelista calvinista? Isso não é um paradoxo? Calvinismo não combina com evangelismo.” Essa acusação foi repetida tantas vezes que poucos fazem esforço para ir contra ela. Em vez disso, assumimos isso como verdade. Não importa se alguns dos maiores evangelistas da história da igreja têm sido calvinistas. Se nos lembramos de homens como George Whitefield, David Brainerd, ou “o pai das missões modernas”, William Carey, “sim“, dizem-nos, “estes homens foram grandes evangelistas e calvinistas, mas isso é porque eles eram inconsistentes.” Mas será que isso é verdade?
O importante disso tudo é que o Calvinismo não é incompatível com a evangelização, é apenas incompatível com certos métodos de evangelização. É inconsistente, por exemplo, com os métodos de manipulação emocionais criados por reavivalistas, como Charles Finney. Mas estes métodos de manipulação são eles próprios inconsistentes com as Escrituras, por isso não é ruim rejeitá-los. Para que a evangelização seja agradável a Deus, ela deve ser consistente com todo o sistema de ensino bíblico. Mas como um evangelismo desse tipo se parece?
A resposta clássica para essa pergunta é encontrada no livro de R.B. Kuiper – Evangelização Teocêntrica (Editora PES). Este livro traz à tona ensinamentos bíblicos sobre o tema da evangelização. Kuiper define a evangelização pura e simplesmente como “a promulgação do evangelho”. Em outras palavras, a proclamação do evangelho. Kuiper explica que seu livro “é um apelo por um evangelismo centrado em Deus, em contraposição ao evangelismo centrado no homem”. O livro, então, apresenta uma teologia do evangelismo.
Os primeiros capítulos estabelecem alguns dos pressupostos teológicos essenciais para um evangelismo centrado em Deus. Kuiper explica que o próprio Deus é o autor da evangelização, e que antes da fundação do mundo Ele planejou a salvação dos pecadores. Isso leva diretamente para discussões sobre o amor de Deus, a eleição que Ele faz dos pecadores, e Sua aliança. Depois, estabelecendo esses fundamentos teológicos básicos, Kuiper  em seguida, lida com vários aspectos bíblicos da evangelização, começando com a soberania de Deus e a Grande Comissão.
Na Grande Comissão, Jesus ordena a Seus seguidores que façam discípulos de “todas as nações.” O escopo do evangelismo, então, é universal. O evangelho deve ser proclamado a todos. Se realmente acreditamos que a Escritura nos fala sobre a necessidade da fé em Cristo para a salvação, então a urgência do evangelismo se tornará evidente. Um grande número de teologias heterodoxas tenta tornar menos importante a urgência da evangelização, ensinando que os incrédulos terão uma “segunda chance” após a morte. Porém, não há na Bíblia nada que fomente esse tipo de ensinamento, tornando-o mera pressuposição.
Nossa principal motivação para a evangelização deve ser o amor de Deus e o amor ao próximo. Aqueles que amam a Deus, com alegria obedecem à Sua comissão para evangelizar e discipular os incrédulos. Aqueles que amam o próximo desejarão para ele a vida eterna. Seu objetivo será o de ver Deus glorificado através da salvação dos pecadores, como eles próprios, a fim de que a igreja cresça.
O meio ordenado por Deus para a evangelização é a Sua própria Palavra. É através da proclamação da Palavra de Deus que o Espírito Santo efetivamente opera fé nos corações dos homens. A mensagem específica da evangelização é o evangelho. Paulo resume esta mensagem em 1 Coríntios 15:3-5: ” Antes de tudo, vos entreguei o que também recebi: que Cristo morreu pelos nossos pecados, segundo as Escrituras, e que foi sepultado e ressuscitou ao terceiro dia, segundo as Escrituras. E apareceu a Cefas e, depois, aos doze. ” Quando aqueles que ouvem o evangelho perguntarem o que devem fazer para serem salvos, a Escritura nos diz que a resposta é: “Crê no Senhor Jesus e serás salvo, tu e a tua casa.” (Atos 16:31).
Nos capítulos finais de seu livro, Kuiper levanta questões como zelo pela evangelização, o método bíblico de evangelismo, cooperação na evangelização, a resistência à evangelização, e o triunfo do evangelismo. Ele nos lembra que podemos proclamar o evangelho com grande esperança, ansiosos para ver os frutos da evangelização, quando “uma grande multidão que ninguém podia enumerar, de todas as nações, de todas as tribos, povos e línguas” ficará diante do trono do Cordeiro, todos vestidos de branco e clamando: “A salvação pertence ao nosso Deus que está sentado no trono e ao Cordeiro” (Ap 7:9-10).
Por muito tempo, a igreja tentou alcançar um objetivo digno através de meios mundanos. Vamos prestar atenção ao apelo Kuiper e deixar os métodos humanos da Madison Avenue para trás. Que possamos cumprir a Grande Comissão de forma que Deus seja glorificado.

Nenhum comentário: