"Do tronco de Jessé sairá um rebento, e das suas raízes, um renovo" – Isaías 11.1 Obs: Comunidade localizada em São Paulo capital.

segunda-feira, 23 de setembro de 2019

O MESSIAS NO SALMO 2 E NO SALMO 110 (PARTE 01)


Os Salmos 2 e 110 têm desde os tempos antigos sido considerados quase como um par. A carta aos Hebreus, em particular, os cita lado a lado, e os Atos dos Apóstolos obteve a sua força a partir destas fontes.

O TOM MESSIÂNICO NO SALMO 2

O tema do Salmo 2 é o seguinte:
"Por que se amotinam as nações e os povos conspiram em vão? Os reis da terra se levantam, e os governantes se reúnem contra o Senhor e contra o Seu Ungido Seu MASHIACH). 'Vamos quebrar cadeias deles", dizem eles, "e joguemos fora seus grilhões .'... 'Eu instalei o meu Rei sobre Sião, meu santo monte." " Vou proclamar o decreto do SENHOR: Ele me disse: 'TU ÉS MEU FILHO, HOJE EU TE GEREI! Pede-me, e Eu te darei as nações por herança, e as extremidades da terra por possessão.. ".. . BEIJE O FILHO, para que ele não fique com raiva e você seja destruído em seu caminho. "

Este salmo está falando do "UNGIDO", em hebraico "MASHIACH (MESSIAS)". Por duas vezes ele é referido como o "FILHO". Todas as nações dos gentios serão dados a ele como uma herança. Ele deve ser recebido com um beijo, como um rei ou um professor - assim como os decretos do Talmud; em atender um professor, o estudante deve beijá-lo na mão. (até mesmo a palavra grega PROSKUNEO, que foi muitas vezes traduzida como "ADORAR", na verdade significa REVERENCIAR, OU SE PROSTRAR E BEIJAR A MÃO DO REI, refletindo muito o sendido deste salmo, que fala da devida REVERÊNCIA diante do Mashiach, o REI UNGIDO PELO ETERNO).

Quando lemos exposição de Salmos do Midrash (Midrash Tehilim) não podemos deixar de nos surpreender com o grande volume de explicação que os antigos estudiosos tiravam deles. No entanto, os mesmos versos que são citados neste contexto são geralmente aceitos como referências messiânicas. O Midrash fala em primeiro lugar do "aquele que há de vir", o "Rei-Messias", diante do qual todos se curvarão, como se diz em Isaías 49:23 "Eles se curvarão diante de ti com seus rostos em terra ". Há muitas passagens do Antigo Testamento associadas com a frase: "Vou proclamar o decreto do Senhor", que, em particular para os seguidores de Yeshua, têm uma mensagem especial.

O Midrash os define da seguinte forma:

"O decreto é o dos profetas, porque em Isaías 52:13 se diz:" Meu servo prosperará "e Isaías 42: 1 adiciona 'Aqui está o meu servo, a quem Eu sustenho". É o decreto do Salmos, como em Salmos 110: 1 diz: "disse O Eterno (YHWH) ao meu Senhor: Assenta-te à minha direita", e no Salmo 2: 7 diz: "Ele disse para mim; TU ÉS MEU FILHO", e também em outros lugares está escrito (Dan.7: 13 ), "Em minha visão à noite eu olhei, e diante de mim estava um como FILHO DO HOMEM, vindo sobre as nuvens". O Eterno (YHWH) disse: 'TU ÉS MEU FILHO'. os decretos são esses do Rei, o Rei de Reis, que isso iria ser feito para o Messias-Rei ... "

Na sequência este Midrash afirma ainda que:
"Rabi Huna diz: "Os sofrimentos do mundo estão divididos em três lotes, o primeiro lote foi concedido aos patriarcas e a diferentes gerações, o segundo lote para a geração de destruição, e o terceiro para a geração messiânica."

Como todo texto judaico tem múltiplos níveis de interpretação de Midrash (PaRDeS - isto é, os níveis: P'shat: o "simples significado", de um versículo ou passagem, Remez: "dicas" de um significado mais profundo e não apenas a expressão literal, D'rash: "pesquisa"; descobrir o significado através da midrash, por comparação palavras e formas e também por ocorrências semelhantes noutros locais, e Sod: o "segredo" ou o significado místico de uma passagem, como determinado através de inspiração ou revelação.), com os Salmos isso também não é excessão, há múltiplos níveis de mensagem ocultada neles. Um mesmo texto pode ter uma ampla gama de significações proféticas que se cumprem em cada um destes níveis.

O Midrash também diz que o Salmo 2 fala de Salomão, do Rei Acaz e do MESSIAS:

"Acaz, porque Isaías 7:11 diz: "Peça ao Senhor teu Deus um sinal' (OT em hebraico: um sinal marcante)", e" O MESSIAS, porque está escrito: "Eu te darei as nações por herança' ... E o Salmo 21: 5 diz 'ele Te pediu pela vida, e Tu a deste a ele'. "

Tradicionalmente, a interpretação judaica do Salmo 2 pode ser dividido em 3 correntes:

a) Rashi explica que "Nossos rabinos ensinaram que trata-se do MESSIAS-REI, e em harmonia com esta interpretação ela pode ser aplicada ao próprio David..."

b) Ibn Ezra reconhece que o salmo se refere à "unção de Davi como rei, pelo que está escrito;" Este dia eu te gerei ", ou então ele diz respeito AO MESSIAS..."

c) as exposições populares, como o Metsudat David, estão inclinados a sublinhar que as palavras "você é meu filho' destinam-se como uma referência a Israel. De fato, desde o início da Idade Média (por volta do século 10), o servo sofredor de Isaías 53 começou a ser explicado como uma ilustração da opressão de Israel. Porém durante os primeiros mil anos do judaísmo,  essa passagem sempre foi associada ao MESSIAS.

Rambam, no entanto, deixa claro que, em geral, os rabinos não tem uma interpretação teológica comum, em vez eles seguem "as ênfases peculiares de versos individuais, razão pela qual seu ensino sobre estas questões é um pouco inconsistente".

O Talmude Babilônico fala do Messias, citando o Salmo 2:

 "Nossos rabinos ensinaram: O Santo, bendito seja Ele, dirá ao MESSIAS, o filho de Davi
 ele revela-se rapidamente em nossos dias!), 'Peça-me qualquer coisa, e eu darei a ti', como é disse, eu contarei do decreto etc. este dia eu te gerei, peça a mim e eu darei o
 nações para a tua herança [Salmos 2: 7-8]. "- ​​Talmud Babilônico, Sukkah 52a

Nós notamos que Maimonides cita o Salmo 2 e afirma que é uma referência ao MESSIAS:

 "Os profetas e os santos ansiaram pelos dias do Messias, e grande tem sido a sua desejo para com ele, pois haverá com ele a reunião dos justos e administração do bem, e sabedoria, e justiça real, com a abundância de sua retidão e a propagação de sua sabedoria, e sua abordagem a Deus, como é dito: O Senhor disse a mim, Tu és meu filho, hoje te gerei. ”- Maimonides (11 c), introdução a
 Sanhedrin, capítulo 10

 Assim, podemos ver claramente que o Salmo 2 é tomado como uma referência ao MESSIAS.  E o Salmo 2 firmemente
 estabelece o papel do Messias como um rei conquistador, adicionando outro requisito à nossa lista.

A prova mais forte da natureza messiânica desses dois salmos é encontrada na passagem do Midrash acima, com suas sete citações bíblicas separadas, TODAS ELAS SÃO REFERÊNCIAS TRADICIONALMENTE MESSIÂNICAS.

Estas observações seriam em si mesmas suficientes como pano de fundo para uma interpretação messiânica, mas ainda mais se somarmos a elas a discussão talmúdica das mesmas coisas e referências enigmáticas da literatura do Zohar. Há uma expressão em latim, non multa sed multum, segundo a qual não se deve apresentar "muitas provas variadas", mas sim "uma quantidade específica" dos mesmos exemplos raros.

Um professor de música disse certa vez uma história sobre um professor mundialmente famoso que, com seu melhor aluno, trabalhou na mesma ópera ano após ano. Finalmente, o jovem perguntou ao maestro: "Os meus colegas já tem muitas óperas em seus repertórios, quando eu vou estar pronto para executar?" O professor ouviu mais uma vez a sua ópera favorita e disse: "Você está pronto agora! Este trabalho contém o material para todas as outras músicas." E, de fato: o jovem tornou-se famoso da noite para o dia.

O seguidor de Yeshua faria bem em se familiarizar com o âmbito de aplicação da expectativa Messiânica Judaica mais antiga, com base em um pequeno número de exemplos abordados exaustivamente.

O Talmud também tem algo a dizer sobre o caráter messiânico do Salmo 2. No que diz respeito à palavra "UNGIDO (MASHIACH)" no verso 2, ele explica:

"Quando a guerra de Gog e Magog estiver em vista eles serão perguntados: 'Por que você veio?" A resposta será: 'Viemos contra O Eterno e o seu UNGIDO (MASHIACH)', pois está escrito: 'Por que se amotinam as nações e os povos conspiram em vão' " (Avoda Zara 3b)

Em outra discussão lemos:

"Os rabinos dizem que isto significa que o Messias, o Filho de Davi, que está para vir rapidamente em nosso tempo o Santo irá dizer-lhe: "Pede-me, e Eu vou dar a você ', como está escrito: 'vou proclamar o que o Senhor decretou' 'Este dia Te gerei; peça-me, e Eu te darei as nações por herança ".. e, vendo O MESSIAS, o FILHO DE YOSEF, QUE FOI MORTO... Eu não vou pedir-lhe nada mais do que a vida ... porque está escrito (salmos 21: 5), "ele te pediu vida e Tu deste a ele '". (Sukka 52a)

É notável ver que nesta discussão o Talmud cita o Salmo 21 com a qual os rabinos associaram a imagem de UM MESSIAS COROADO E VESTIDO COM MANTO VERMELHO que seria "POSTO COMO UMA BENÇÃO ETERNA PARA TODO O SEMPRE".

 Aqui, com certeza, ele se encaixa com a tradição do MESSIAS BEN YOSEF, segundo o qual este filho de Yosef, Efraim, encontrou a morte ao tentar conquistar a terra de Canaã, diante do tempo de Moisés.

Quando Israel há alguns anos atrás fez a paz com o Egito alguns líderes nacionais citaram as palavras de Isaías, capítulo 19, que estabelecem que um dia haverá uma "estrada do Egito até a Assíria" e que "naquele dia Israel será um terceiro, junto com Egito e Assíria, uma bênção sobre a terra." O início do mesmo capítulo diz que "o Senhor vem cavalgando numa nuvem ligeira, e entra no Egito."

A tradição do Zohar associa as palavras Av Qal, literalmente "nuvem de luz", com o versículo 12 do Salmo 2, 'BEIJE O FILHO'. A palavra aramaica para "filho", BAR, tem um valor de 202 em Gematria, e da mesma forma as letras hebraicas de AV QAL juntos somam 202.

 Tais comparações não tem, é claro, qualquer valor intrínseco, mas eles ajudam a lembrar-nos da coerência interna da Bíblia. Quando o Zohar descreve este "filho", BAR, ele acrescenta à descrição uma declaração que fala EXPLICITAMENTE DO MASHIACH, veja:

"Você é o bom pastor; de ti é dito, 'BEIJE O FILHO'. Você é grande aqui em baixo, o Rabbi de Israel, o Senhor dos anjos que servem, o filho do Altíssimo, o filho do Santo, que seu nome seja louvado e seu Espírito Santo." (Zohar, parte p307 III ", edição de Amsterdam")

O Zohar refere-se a este problema de auto-revelação de Deus pelo nome "razei de-Shlosha" ou "O mistério do número três". Não porque Deus seja três, pois todos sabemos que o Eterno é UM, mas sobre como O Eterno Deus que é indivisível atua através de Seu Espírito (Ruach Hakodesh) que foi DERRAMADO SOBRE O MASHIACH, UNGINDO-O, e que este servo, o Mashiach é a sua mais antiga criação, e foi posto para mediador entre Deus e os homens. Eles são como o "escudo exterior da verdade interior", como os rabinos disseram. Este mistério um dia será revelada pelo Messias:

"E este é o espírito que vai subir a partir da sabedoria oculta, e que se chama o espírito de vida, e que o espírito está pronto para dar essa sabedoria em seu devido tempo, através do MESSIAS REI, como está escrito (Isaías 11: 2): "e o ESPÍRITO DO ETERNO REPOUSARÁ SOBRE ELE, o espírito de sabedoria e de entendimento" 14.

A partir dessas citações, vemos que o Zohar se refere ao Filho mencionado no Salmo 2 como o "FILHO DO ALTÍSSIMO" e de "O SANTO", e que foi UNGIDO "PASTOR" e "RABBI" é também "O SENHOR DOS ANJOS QUE SERVEM"- que a ênfase na carta aos Hebreus e nos Manuscritos do Mar Morto está associado com O MESSIAS. Além disso, o Zohar constrói pontes entre este salmo e, por exemplo, as profecias messiânicas de Isaías.

Nenhum comentário: