"Do tronco de Jessé sairá um rebento, e das suas raízes, um renovo" – Isaías 11.1 Obs: Comunidade localizada em São Paulo capital.

domingo, 5 de abril de 2020

O Mistério da Matzah Quebrada Revelada.

O Mistério da Matzah Quebrada Revelada
matzah
Muito importantes para o sêder da Páscoa são as cerimônias relacionadas às três matzá. O seder começa com três Matzahs ​​que são mantidos em compartimentos em uma bolsa de linho especial chamada MATZAH TESH, também chamada de "unidade" pelos rabinos. Durante o seder, a matzá do meio é quebrada. A porção quebrada é embrulhada em linho e escondida até o final do seder, quando é trazida e consumida no final da refeição como AFIKIOMEN.
Os três matzahs ​​lembram as três medidas de boa refeição, das quais Sarah fez três bolos para os "três homens" que vieram a Avraham pelos carvalhos de Mamre.
1 E YHWH apareceu-lhe pelos carvalhos de Mamre, quando ele estava sentado à porta da tenda no calor do dia.
2 E ele levantou os olhos e olhou. E eis que três homens se levantaram contra ele. E quando os viu, correu para encontrá-los da porta da tenda e se curvou sobre a terra,
3 e disse: YHWH. Se agora encontrei favor aos teus olhos, não falte, peço-te, do teu servo.
4 Agora, pegue um pouco de água, lave os pés e recline-se debaixo da árvore.
5 E vou buscar um pedaço de pão, e ficarei em seu coração. Depois disso, você deve passar adiante, desde que chegue ao seu servo. E eles disseram: Faça o que você disse.
6 E Avraham correu para a tenda até Sara, e disse: Prepara-te depressa, três medidas de boa refeição; amasse e faça bolos.
(Gênesis 18: 1-6 HRV)
A palavra hebraica para “bolos” aqui é EGOT (plural para EGAH). Os tradutores de grego usaram uma palavra muito interessante para traduzir esta palavra com EGKRUFIAS. A palavra típica para esse "bolo" é EGKRIS. A palavra EGKRUFIAS parece fundir esta palavra com a palavra grega KRUFIAS, que significa “oculto, secreto, oculto”. Pode ser que o EGKRIS esteja frito, enquanto o EGKRUFIAS é cozido, cobrindo-o com uma tampa coberta de carvão quente. De qualquer forma, o antigo escritor judeu Philo, que viveu na mesma época que Yeshua, rapidamente notou a palavra grega incomum aqui. Philo escreve sobre Gênesis 18: 6:
Agora, é muito bom que essas três medidas sejam, por assim dizer, amassadas na alma e misturadas, para que a alma, sendo persuadida de que o ser supremo é Deus, que levantou a cabeça acima de tudo seus poderes, e quem são vistos independentemente deles, e quem se torna visível neles, podem receber os personagens de seu poder e beneficência, e se tornarem iniciados nos mistérios perfeitos, podem não estar prontos para divulgar os segredos divinos a ninguém. , mas pode valorizá-los em si mesma e, controlando seu discurso, pode ocultá-los em silêncio; pois as palavras das escrituras são: “Fazer bolos secretos (EGKRUFIAS)” (Gên. 18: 6) porque as declarações sagradas e místicas sobre aquele que não foi criado e sobre seus poderes devem ser mantidas em segredo;
(No nascimento de Capaz XV 59-60)
Philo continua amarrando essas três medidas para três bolos com os “bolos” de pães ázimos comidos na Páscoa. Ele escreve:
Pois o fluxo da alma intemperada, que flui para fora através da boca e da língua, é bombeado e derramado em todos os ouvidos. Alguns dos quais com amplos canais, mantêm o que é derramado neles com toda alegria; mas outros, através da estreiteza das passagens, são incapazes de ser enfeitiçados por ela. Mas o que transborda sendo derramado de maneira irrestrita, é espalhado em todas as direções: de modo que o que foi oculto escapa e flutua sobre ele e, como uma torrente aleatória de lama, carrega junto com ele em sua inundação, coisas dignas de serem cuidadas com todo cuidado. Em referência a isso, essas pessoas me parecem ter tomado uma decisão correta que foram iniciadas nos mistérios menores antes de aprender algo sobre esses maiores. “Porque assaram a farinha que trouxeram do Egito, assar bolos secretos (EGKRUFIAS) de pão sem fermento. ” (Êxodo 12:39). Ou seja, eles lidavam com as paixões indomáveis ​​e selvagens, suavizando-as com a razão, como amassariam o pão; antes, eles não divulgaram o modo de amassar e aperfeiçoá-lo, pois derivava de algum sistema divino de preparação; mas eles valorizavam isso em seus estoques secretos, não sendo exaltados com o conhecimento do mistério, mas cedendo e sendo humildes quanto à sua vanglória.
(No nascimento de Cap. XVI. 61-62)
Quem eram esses "três homens" em Gênesis 18 que correspondem às três medidas de farinha para os três "bolos secretos"? O Zohar comenta esta passagem dizendo:
Quem eram os "três homens"? Eles são Abraão, Isaque e Jacó ... ”
(Zohar 1: 98b)
Isso não significa que Abraão Isaac e Jacó apareceram diante de Abraão. Na Cabala, Abraão, Isaac e Jacó representam os Três Pilares da Deidade, conforme lemos no Bahir:
Pelo mérito de Abraão que era digno do atributo de Bondade (CHESED), Isaac era digno do atributo de Terror (PACHAD), Jacó era digno do atributo de Verdade, que é o atributo de Paz.
(Bahir 137)
Abraão ... era digno e tomou a Bondade (CHESED) como seu atributo, como está escrito "Bondade a Abraão" (Mic. 7:20). Isaac ... era digno e recebeu o atributo de Força (GEVURAH), que se chama Terror (PACHAD). Está assim escrito: "E Jacó jurou pelo terror de Isaque, seu pai." (Gên. 31:53) ... Abraão está acima e Isaque está abaixo dele, você estará no centro e levará os três. Qual é o centro? É paz, como está escrito: "Você dá a verdade a Jacó" (Mic. 7:20). A verdade é idêntica à paz, pois está escrito “Palavras de paz e verdade” (Est. 9:30). Também está escrito “Porque a paz e a verdade estarão nos meus dias” (2Rs. 20:19)
(Bahir 190)
(Bondade, Verdade / Paz e Força / Terror são termos comumente usados ​​para se referir aos Três Pilares.)
Ao longo deste capítulo, os escribas alteraram várias ocorrências de YHWH para "Adonai" (versículos 3, 22, 27, 30, 31 e 32). Estes são seis dos 134 lugares onde os escribas alteraram Adonai para YHWH, todos neste capítulo.
Philo diz sobre esses "três homens":
... aquele no meio é o Pai do universo, que nas escrituras sagradas é chamado pelo seu nome próprio, eu sou o que sou; e os seres de cada lado são os poderes mais antigos que estão sempre próximos do Deus vivo, um dos quais se chama poder criativo e o outro poder real. E o poder criador é Deus, pois é por isso que ele criou e organizou o universo; e o poder real é o Senhor, pois é apropriado que o Criador o domine e governe a criatura. (122) Portanto, a pessoa do meio dos três, sendo atendida por cada um de seus poderes como guarda-costas, apresenta à mente, que é dotada da faculdade da visão, uma visão ao mesmo tempo de um ser e outra vez de três;
(Sobre Abraão XXIV 121b-122a)
Depois de um pouco mais, ele escreve que um desses três era a "Palavra"
Por essa razão, parece-me que Sara (Gênesis 18:15.), O homônimo da virtude, que havia rido anteriormente, negou sua risada à pessoa que a questionou sobre a causa, temendo que não ela pode ser privada de sua alegria, como pertencendo a nenhum ser criado, mas somente a Deus; por esse motivo, a santa Palavra (Logos) a encorajou e disse: “Não tenha medo”, você riu uma risada genuína e participou da verdadeira alegria ...
(Abraão XXXVI 206)
Assim, os Três Matzahs ​​representam para nós os Três Pilares da Divindade, conforme lemos no Zohar:
Então Elohim disse: “Sejas luz; e havia
luz. E Elohim viu que a luz era boa ...
Por que, pode-se perguntar, era necessário repetir a palavra “luz” neste versículo? A resposta é que a primeira "luz" se refere à luz primordial que é da mão direita e é destinada ao "fim dos dias"; enquanto a segunda "luz" se refere à mão esquerda, que sai da direita.
As seguintes palavras: “E Deus viu a luz de que era boa” (Gênesis 1: 4), refere-se ao pilar que, parado entre eles, une os dois lados e, portanto, quando a unidade dos três, à direita, deixou e meio, estava completo, “era bom”, pois não havia conclusão até que o terceiro aparecesse para remover a contenda entre Direita e Esquerda, como está escrito: “E Deus separou a luz e as trevas. …
Este é o Pilar do Meio: Ki Tov (que era bom) lançou luz acima e abaixo e por todos os outros lados, em virtude de YHWH, o nome que abrange todos os lados.
(Zohar 1: 16b)
As Três Matzah são colocadas juntas para mostrar sua unidade, conforme lemos no Zohar dos Três Pilares da Deidade:
A [profissão de] unidade que todos os dias é [uma profissão de unidade] deve ser entendida e percebida. Dissemos em muitos lugares que esta oração é uma profissão de Unidade proclamada:
“Ouça Ó Yisrael, YHWH“ primeiro, [então] “Eloheynu” [e] “YHWH” são todos um e, assim, Ele é chamado de “um”.
Eis que estes são três nomes, como podem ser um? É porque os chamamos de um? (literalmente: e também com relação à proclamação que chamamos de um?). Como estes são um só podem ser conhecidos através da visão do Espírito Santo? E estes são através da visão do olho fechado (ou do olho oculto). Para divulgar que esses três são um (isto é, uma Tri-Unidade).
E este é o mistério da voz que é ouvida. A voz é uma. E são três GAUNIN: fogo, ar e água. E todos estes são um no mistério da voz.
E também aqui "YHWH, Eloheynu, YHWH" estes são um. Três GAUNIN que são um. E esta é a voz do ato de um filho do homem em proclamar a Unidade. E para o que ele vê pela Unidade do "Tudo", de Eyn Sof (o Infinito) até o fim do "Tudo". Por causa da voz em que é feita, há três que são um (ou seja, uma Tri-Unidade).
E esta é a [profissão] da profissão diária da Unidade, que é revelada no mistério do Espírito Santo.
E há muitos GAUNIN que são uma Unidade, e todos eles são verdadeiros, o que um faz, que o outro faz e o que esse faz, o outro faz.
(Zohar 2:43)
Gênesis 18 termina com:
E YHWH seguiu seu caminho assim que parou de falar com Avraham, e
Avraham retornou ao seu lugar.
(Gênesis 18:33 HRV)
E o próximo capítulo começa:
E os dois anjos chegaram a S'dom à tarde, e Ló sentou-se na porta de S'dom. E Ló os
viu, e se levantou para encontrá-los, e ele caiu de cara na terra.
(Gênesis 19: 2 HRV)
Por que "dois anjos"? Porque um dos “três homens” chamado “YHWH” no capítulo anterior “seguiu o seu caminho”, enquanto os outros dois “vieram para o S'dom”. Como o Zohar comenta sobre esta passagem:
O rabino José apontou que o verso anterior: “E o Senhor seguiu seu caminho assim que parou de falar com Abraão”, indica que somente quando a Shekinah partiu de Abraão e Abraão voltou ao seu lugar, os dois anjos vieram a Sodoma na véspera. Diz dois porque um dos anjos partiu no Shekinah, deixando apenas dois.
(Zohar 1: 106a-106b)
No versículo 18, Ló aborda esses dois "anjos" como YHWH. Mais uma vez, os escribas alteraram essa passagem para ler Adonia, mas o original era YHWH (este é um dos 134 lugares onde o MT lê "Adonai", mas o Masorah indica que o texto originalmente era "YHWH" e foi alterado pelo escribas na tentativa de esclarecer o texto.)
Então chegamos ao versículo 24, onde lemos:
Então YHWH fez chover sobre S'dom e Amora,
enxofre e fogo de YHWH, do céu.
(Gênesis 19:24 HRV)
O Zohar diz desta passagem:
E YHWH fez chover sobre Sodoma. O termo V'YHWH (e YHWH)
significa o grau do Tribunal inferior que exige autorização do alto.
(Zohar 1: 107b )
O Targum Onkelos parafraseia a passagem:
E a Palavra de YHWH fez chover sobre S'dom e Amora,
enxofre e fogo de YHWH, do céu.
(Gen. 19:24 Targum Onkelos)
Assim, identificar o YHWH que faz com que a chuva caia de YHWH do céu seja a "Palavra de YHWH".
Vale a pena notar que, de acordo com o Talmud (San. 38b), um certo Min usou essa mesma passagem para debater a divindade do Messias com o rabino Ismael ben Jose.
É importante definir este termo talmúdico MIN (singular) / MINIM (plural).
No século IV, “Pai da Igreja”, Jerome escreve sobre os nazarenos e ebionitas:
O que direi dos ebionitas que pretendem ser cristãos?
Hoje ainda existe entre os judeus em todas as sinagogas
do Oriente uma heresia chamada de Minæans,
e que ainda é condenada pelos fariseus; [seus seguidores]
são normalmente chamados de 'nazarenos'; eles acreditam que Cristo,
o filho de Deus, nasceu da Virgem Maria, e consideram que ele
foi quem sofreu sob Pôncio Pilatos e subiu
ao céu, e em quem também cremos. ”
(Jerônimo; Carta 75 de Jerônimo a Agostinho)
Agora, ebionitas e nazarenos eram dois grupos distintos com crenças variadas (os ebionitas se separaram dos nazarenos por volta de 70 dC), mas esses dois grupos eram conhecidos pelos judeus rabínicos como "Minim" ou como Jerônimo os chama em latim "Mineans".
De acordo com o Dicionário dos Targumim, Talmud Babli, Yerushalami e Literatura Midrashic, Marcus Jastrow define MIN "sectário, infiel ... um infiel judeu, aplicado principalmente aos cristãos judeus". Jastrow usa o termo "judeus-cristãos" para se referir a ebionitas e nazarenos, embora esses grupos não se autodenominassem "cristãos".
Muitos estudiosos acreditam que o termo MIN começou como um acrônimo para uma frase hebraica que significa “Crentes em Yeshua, o Nazareno”.
Os chamados "pais da igreja" também viram um significado especial para esta passagem. Ireanaeus, que escreveu por volta de 185 EC, escreve:
E novamente, referindo-se à destruição dos sodomitas, a Escritura diz:
"Então o Senhor choveu sobre Sodoma e Gomorra
fogo e enxofre do Senhor do céu". (Gên. 19:24)
. Aqui, destaca que o Filho, que também conversava com Abraão, recebeu poder para julgar os sodomitas por sua iniquidade.
(Ireanaeus; Contra Heresias 3: 6: 1)
Quando examinamos o Zohar, o Targum, o Talmud, Philo e Ireaneus nesta porção da Torá, fica claro que os três homens que visitam Avraham representam os três pilares da Deidade. Um deles retorna ao céu no final do capítulo 18, deixando "dois anjos" no capítulo 19, que também são chamados de "YHWH" e que fazem com que fogo e enxofre chovam de YHWH, que havia retornado ao céu.
O tradutor grego da LXX e Philo sabia que os “bolos” sem fermento de Êx. 12:39 e os “bolos” de Gênesis 18: 6 continham um mistério. Foi esse mistério dos Três Pilares da Deidade e das três Matzah do Seder da Páscoa que Yeshua fez referência quando, na noite de sua traição, ele pegou o pão, abençoou e partiu, e deu ao Talmidim, dizendo: você e come isto, que é o meu corpo (Mt 26:26; Lucas 22:19; Marcos 14:22), que está quebrado por sua causa; assim faça pelo Meu memorial. (1 Cor. 11: 23-24).
Isso ele partiu em pedaços e passou para ser comido como o AFIKOMEN.
Nos dias que antecederam a destruição do templo, quando o cordeiro da Páscoa ainda era oferecido, um pedaço do cordeiro da Páscoa tinha que ser a última coisa que se comia na refeição (m.Pessahim 10: 8), para que alguém ficasse com o gosto. do cordeiro pascal na boca. (b.Pes. 119b). Desde a destruição do Templo, a matzá do meio quebrada representa o Cordeiro da Páscoa e se torna o AFIKOMEN. A palavra AFIKOMEN em grego significa "última coisa que se come", mas em aramaico significa "minha presença foi levantada".
Este é o mistério dos três “bolos secretos” de pães ázimos e da matzá do meio quebrada, o Pilar Médio da Divindade, o Filho de Yah.

por
James Scott Trimm

Nenhum comentário: