"Do tronco de Jessé sairá um rebento, e das suas raízes, um renovo" – Isaías 11.1 Obs: Comunidade localizada em São Paulo capital.

domingo, 17 de maio de 2020

MATEUS 28:19 - A MAIS SÉRIA FALSIFICAÇÃO DAS ESCRITURAS SAGRADAS Adaptado do texto do Moré Osvair Munhoz.

MATEUS 28:19 - A MAIS SÉRIA FALSIFICAÇÃO DAS ESCRITURAS SAGRADAS

Adaptado do texto do Moré Osvair Munhoz


Introdução: O texto de Mateus de 28:19 é sine qua nom na questão do batismo bíblico, pois ele aparece na forma alongada em todos os manuscritos gregos, em destaque ao textus receptus e ao texto crítico. Estaríamos sem luz quanto a este divisor de águas? Acredito que não, pois o Eterno não é Yahuwah de confusão e sim de paz! Jamais Ele nos deixaria sem luz. O propósito deste artigo é esclarecer este controvertido assunto de vital importância para a unidade da fé do povo do Eterno.

Críticos textuais denunciam o texto atual de Mateus 28:19 como resultado de uma falsificação dos originais. E o fazem com base nas obras de Eusébio, quem foi Eusébio de Cesaréia?

‘O mais importante escritor no primeiro quarto do quarto século foi Eusébio de Cesaréia... Eusébio era um homem de pouca originalidade ou juízo independente. Mas ele era grandemente versado na literatura Grega Cristã do segundo e terceiro séculos, parte da qual está irreparavelmente perdida, e as gerações subsequentes têm um grande débito para com sua honesta, e algumas vezes não pouco prejudicada, erudição’...
Eusébio de Cesareia (c. 275 — Cesareia, 30 de Maio de 339) (chamado também de Eusebius Pamphili, "Eusébio amigo de todos") foi bispo de Cesareia e é referido como o pai da história da Igreja porque nos seus escritos estão os primeiros relatos quanto à história do Cristianismo primitivo. O seu nome está ligado a uma crença curiosa sobre uma suposta correspondência entre o rei de Edessa, Abgaro e Yeshua Hamashiach. Eusébio teria encontrado as cartas e, inclusive, as copiado para a sua Historia Ecclesiae.

‘‘Dos autores dos testemunhais escritos do texto do Novo Testamento segundo se encontravam nos Manuscritos Gregos de 300-340 D.C., nenhum é tão importante quanto Eusébio de Cesaréia, pois ele viveu na maior Biblioteca Cristã daquela época, aquela que Orígenes e Pamphilius, nominadamente, coletaram. Não é exagero dizer que a partir desta simples coleção de manuscritos em Cesaréia deriva a maior parte da literatura ante-Nicênica (anterior ao Concílio de Nicéia) remanescente. Nesta Biblioteca, Eusébio deve ter manuseado habitualmente códigos dos evangelhos duzentos anos mais antigos que o mais antigo dos grandes manuscritos que temos agora em nossas bibliotecas’.”. A Closer Look at Matthew 28:19, A Study In Textual Criticism, Edited By Mark Kennicott, 2000, pág. 13.

‘Eusebius Pamphili, Bispo de Cesaréia na Palestina, um homem de vasto conhecimento e erudição, e que adquiriu fama imortal por seus trabalhos em história eclesiástica, e em outros ramos do conhecimento teológico. ... até cerca de 40 anos de idade ele viveu em grande intimidade com o mártir Pamphilius, um homem instruído e devoto de Cesaréia, e fundador de uma extensa biblioteca ali, da qual Eusébio derivou seu vasto conhecimento’. ‘Eusebio, a cujo zelo nós devemos a maior parte da história conhecida do Novo Testamento’. Dr. Wescott, em ‘General Survey’, pag. 108

‘Eusébio era um historiador imparcial, e teve acesso aos melhores auxílios para compor uma correta história, segundo sua época permitia’.” A Closer Look at Matthew 28:19, A Study In Textual Criticism, Edited By Mark Kennicott, 2000, págs. 12 e 13.

“No seu ‘Textual Criticism of the New Testament’ Conybeare escreve:

‘É claro, portanto, que dos manuscritos os quais Eusébio herdou do seu predecessor, Pamphilius, em Cesárea, na Palestina, alguns ao final preservaram a passagem original, nos quais não havia nenhuma menção do batismo em nome do Pai, Filho e Espírito Santo. Foi conjecturado por Dr. Davidson, Dr. Martineau, pelo Decano de Westminster, e pelo Prof. Harnack (para mencionar alguns nomes dentre muitos) que o texto recebido aqui não poderia conter as próprias palavras de Yeshua; isso muito antes de ninguém, exceto Dr. Burgon, que manteve a descoberta para si, ter notificado a forma do texto apresentada por Eusébio’.” A Closer Look at Matthew 28:19, A Study In Textual Criticism, Edited By Mark Kennicott, 2000, pág. 15.

De acordo com o editor do Christadelphian Monastshefte, Eusébio, entre seus muitos outros escritos, compilou uma coleção de textos corrompidos das Santas Escrituras, e ‘a mais séria de todas as falsificações denunciadas por ele é sem dúvida a tradicional passagem de Mateus 28:19.’...

De acordo com Conybeare:

‘Eusébio cita este texto (Mat. 28:19) vez após vez em obras escritas entre os anos 300 e 336, nominadamente em seus longos comentários sobre Salmos, Isaías, sua Demonstratio Evangélica, sua Theophany... em sua famosa história da Igreja... Nestas obras de Eusébio, encontramos dezoito citações de Mateus 28:19, e sempre da seguinte forma:

‘Ide e fazei discípulos de todas as nações em MEU NOME, ensinando-os a observar todas as coisas, tudo o que Eu vos ordenei’

... E Eusébio não se contentou meramente em citar o verso nesta forma, mas ele mais de uma vez comenta sobre ele em uma forma tal que parece querer mostrar quanto ele fixou-se pelas palavras ‘em EM MEU NOME’. Assim, em sua Demonstratio Evangélica, ele escreve como segue (col. 240, p. 136):

‘Mas ele não os ordenou ‘fazer discípulos de todas as nações’ simplesmente e sem qualificação, mas com a adição essencial ‘EM MEU NOME’. Pois tão grande era a virtude vinculada a este apelo que o Apóstolo diz, ‘Deus lhe deu um nome acima de todo nome, para que ao nome de Yeshua se dobre todo o joelho no céu, e na terra, e sob a terra’.

Estava certo, portanto, que ele deveria enfatizar a virtude do poder residente em seu nome, mas escondido de muitos, e por isso diz aos seus Apóstolos, ‘Ide, e fazei discípulos de todas as nações EM MEU NOME’.” A Closer Look at Matthew 28:19, A Study In Textual Criticism, Edited By Mark Kennicott, 2000, págs. 13, 14)

“Porém quando volto meus olhos em direção a evidencia do poder da Palavra, que a multidões ganhou, e que enormes igrejas têm sido fundadas por aqueles iletrados discípulos de Yeshua, não em obscuros e desconhecidos lugares, mas nas mais nobres cidades, quero dizer, a Roma Real, Alexandria, Antioquia, todo o Egito e Líbia, Europa e Ásia, em aldeias entre as nações, me vejo irresistivelmente forçado a voltar meus passos e buscar a razão, e a confessar que eles só puderam ter tido êxito em sua atrevida aventura, pelo poder mais divino e mais forte que o do homem, e pela colaboração daquele que disse: “Fazei discípulos de todas as nações EM MEU NOME”. Eusébio de Cesareia. Demonstração do Evangelho. Livro III, Capítulo 7.

“Com certeza, com o poder do Messias, que lhes havia dito: “Ide e fazei discípulos de todas as nações EM MEU NOME”. Eusébio de Cesareia. História Eclesiástica. Livro III. 24.6.

É visível que em todas as referências que Eusébio faz ao mandamento divino de Mateus 28: 19 nos seus livros: Demonstração do Evangelho, e História Eclesiástica, sempre com confidencia repete as palavras do Mestre que disse; “ide e fazei discípulos de todas as nações EM MEU NOME”.

Nenhum dos quatro evangelhos e nem os demais livros da segunda aliança mencionam mandamento algum da parte do Mashiach de ir batizar, mas sim encontramos de ir fazer discípulos. De fato se a fórmula batismal trinitariana tivera sido verdadeiramente palavras de nosso Messias, por que não é mencionada nem sequer uma vez por eles? A verdade porque não a mencionaram nem sequer uma vez é porque Yeshua não a disse.

Ao contrário, Lucas menciona a ordem divina ao dizer: “... e ser-me-eis testemunhas tanto em Jerusalém como em toda a Judéia e Samaria, e até aos confins da terra”.[Atos 1:8]. Este texto está em perfeita harmonia com as palavras de Mateus registradas por Eusébio: “ide e fazei discípulos de todas as nações EM MEU NOME”.

Quando apareceu a versão em grego de Mateus? Possivelmente nunca se saiba, sua investigação não é motivo de interesse da igreja romana. E nem de suas filhas, além de que, Jerônimo claramente expõe que já em seu tempo era desconhecida a pessoa que o fabricou. Claro que o credo apostólico de maneira alguma tem as suas bases sobre o escrito hebreu original de Mateus 28: 19 o que já está demonstrado pelas fontes acima citadas que a ordem de Yeshua aos apóstolos foi a de fazer discípulos, sem que contenha nenhuma referencia ao batizar, e muito menos a batizar em nome do Pai, do Filho e do espírito santo. Que a rigor, ao batizar nessa fórmula, NENHUM NOME ESTÁ SENDO INVOCADO, como proprietário daquele que foi remido, pois PAI não é nome, FILHO não é nome, e ESPÍRITO SANTO não é nome!

Dentro dos escritos de Eusébio de Cesaréia, contém 17 citações em seus trabalhos antes de Nicéia, Eusébio cita Mateus 28:19 como “ide fazei discípulos de todas as nações EM MEU NOME” sem mencionar o comando do batismo da Trindade.

“… o mestre resolveu suas dificuldades, pela adição de uma frase, devem triunfar em MEU NOME. ' Não os ordenou simplesmente e indefinidamente “fazer discípulos de todas as nações”, mas com a adição necessária “EM MEU NOME.” E o poder de seu nome que é assim tão grande, que o Apóstolo diz: “Deus deu-lhe um nome que estivesse acima de todo nome, ao nome de Yeshua todo joelho deve se curvar, tanto os que estão no céu, quanto os que estão na terra, e sob a terra.”

Há virtude no poder de seu nome, oculto da multidão, quando disse a seus Discípulos: “Ide, e fazei discípulos de todas as nações EM MEU NOME.” A prova do Evangelho, Vol. 1, editado e traduzido por W.J. Ferrar, 1981, página 157

Segundo o Morê (Professor) de Judaísmo do Período do Segundo Templo, da Universidade Hebraica de Jerusalém, David Flüsser em seu livro Judaísmo e Origens do Cristianismo, Vol. 1, pág. 156, a expressão "em Nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo" não foram mencionadas em todas as citações de Mateus 28:19 nos escritos de Eusébio ANTERIORES AO CONCÍLIO CRISTÃO DE NICÉIA(325 D.C.) sob a supervisão do imperador Constantino. O texto de Mateus 28:19 antes do referido Concílio era o seguinte: "Ide e tornai todos os gentios discípulos EM MEU NOME , ensinando-os a observar tudo o que vos ordenei".

O comentário do Novo Testamente de Tyndale, I, 275:

É freqüentemente afirmado que as palavras no nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo não são as ipsissima verba [exatas palavras] de Yeshua, mas...uma adição litúrgica posterior.

Ademais, Eusébio foi pressionado pelo bispo cristão Atanásio (que teve participação no Concílio de Nicéia) a fazer a "inserção" Nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, e, caso não a fizesse, seria exilado para a Espanha conforme as palavras do Rabino Joseph Shulam quando indagado ao mesmo sobre Mateus 28:19.

No Compêndio da História da Igreja de autoria de Frei Dagoberto Romag, I Volume, intitulado a Antiguidade Cristã, Editora Vozes pág. 90-93 e 143-145, diz que a ordem do batismo escrita em Mateus 28:19 (O Batismo em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo), saiu da Pena de Tertuliano no ano 197.

Tertuliano era natural de Cartago, filiado a doutrina da trindade de Montano. Escreveu o primeiro catecismo sobre o batismo da trindade, e acompanhado com este batismo, o sinal da cruz, e chamava-se "A fé de Irineu e Tertuliano".

Após sua morte no ano de 220, este dogma foi introduzido no ano 255 no primeiro sinódio dirigido por Cipriano. Tertuliano foi chamado de autor do batismo da idolatria (Dicionário Prático Ilustrado, edição, 1957., Lello & Irmãos-Editores pg. 1908).

"O bispo de Roma, Estêvão I, não aceitou esse batismo como nova doutrina na Igreja de Catargo, mas não o eliminou. Sisto II aceitou a comunhão com a Igreja de Catargo, e em 313 em outro sinódio foi confirmada a ordem do batismo em Nome do Pai Filho e Espírito Santo, contrária aos donatistas que batizavam em nome de Yeshua". Compêndio da História da Igreja, pág. 191-193, Essência do Catolicismo, segunda Edição, pág. 173.

"Os Donatistas protestaram contra o batismo em nome da trindade, e Constantino tirou as suas Igrejas, e confiscou os seus bens. Ário bispo da Igreja Apostólica ensinou, que o Messias é o filho primogênito e unigênito gerado pelo Eterno, e que a salvação consiste em crer nas duas pessoas da divindade (João 3:16-18, 14:1, 17:3), negou a trindade ensinando que o batismo para perdão de pecados é somente aquele praticado em nome de Yeshua.

Em 325, foi realizado o primeiro concílio em Nicéia, para confirmar a trindade e o batismo em seu nome, e esse concílio foi presidido por Constantino, o bispo Silvestre, Ozio e Atanásio, que negaram o Messias como princípio da criação de Deus (Provérbios 8:22-31, João 1:1-3, Colossenses 2:15-17) e sem prova desta verdade, estabeleceram o Dogma que em Deus há uma só pessoa que se manifestou como Pai, Filho e Espírito Santo em substância eterna." Compêndio da História da Igreja, pág. 165-166.

"A negação da divindade como duas pessoas distintas é doutrina do Anti-Cristo ( I João 1: 2-4, 2: 18-26 ) , a partir do estabelecimento da trindade como dogma, começou a perseguição para aqueles que não aceitavam esta apostasia" História do Cristianismo por A . E. Knight e W. Anglin, terceira edição, pág. 192-210, livro: História da Inquisição por Antônio José Saraiva, publicações Europa Portuguesa América.

MATEUS ESCREVEU SEU EVANGELHO EM GREGO?

Até hoje, quase que no geral é crido e ensinado que Mateus escreveu seu evangelho em grego. Nada se discute a esse respeito e nada se faz para abordar esse tópico para explorar até onde essa crença pode ser verdadeira. Diz-se que seu escrito apareceu pela metade do primeiro século, mas sempre se evita explicar o porquê de havendo sido escrito para os israelitas utilizou ele uma língua estranha ao invés da língua israelita, o hebraico. Inclusive os padres da igreja romana não apoiam a escrita de Mateus em grego, mas sim que foi escrito em hebraico.

Algumas fontes:

Irineu (185 d. C.) Contra os hereges, livro III. Capítulo 1.1 diz que: “Mateus publicou um evangelho escrito para os Hebreus em seu próprio dialeto”.

Frequentemente, as citações do evangelho dos Hebreus, como a que vimos acima, identifica os Ebionitas como um grupo que utilizava tal obra. Irineu, no século II, todavia, nos afirma que os Ebionitas utilizam apenas o evangelho de Mateus:

“[Os Ebionitas], contudo, utilizam apenas o evangelho que é segundo Mateus…” (Contra Heresias 1:26:2)

Eusébio (325 D.C.) Historia Eclesiástica livro III. Capítulo 24. 6 diz: “Efetivamente, Mateus, primeiramente havia pregado aos hebreus, quando estava a ponto de sair para pregar aos gentios, entregou por escrito o seu Evangelho, em sua língua materna, suprindo assim por meio da escrita o que faltava para aqueles que estavam longe”.

"De fato, Mateus, dentre os hebreus em seu próprio dialeto, também produziu um evangelho..." (Contra Heresias 3:1:1)

Epifanio de Salamina (315-403 d. C.), ao referir-se ao evangelho usado pelos Ebionitas disse: “Mateus escreveu seu Evangelho na língua hebréia”.

Orígenes - século III:"... o primeiro [evangelho] ...foi escrito por um publicano, Mateus, que o publicou para aqueles do Judaísmo que haviam crido, ordenado e reunido em letras hebraicas." (Comentário de Mateus)

A referência mais importante e precoce é a de Papias de Hirrapolis (125 dC – 150 dC), um dos primeiros autores cristãos, que escreveu: “Mateus reuniu os oráculos em língua hebraica e interpretou cada um deles da melhor maneira que podia”.

Isso significa que nós temos um testemunho primitivo Cristão sobre o documento que Mateus recolheu dos ditos de Yeshua".
"Mas sobre Mateus, ele [Papias] diz o seguinte: Mateus, portanto no dialeto hebraico organizou os oráculos, e a cada um interpretou segundo sua capacidade." (História da Igreja 3:39:116)7

Jerônimo - século V:

"Mateus, que também é chamado Levi, o emissário ex-publicano, primeiramente compôs em letras hebraicas o evangelho do Messias na Judéia, para aqueles que vieram a crer dentre a circuncisão. Quem posteriormente o traduziu para o grego não é certo o suficiente. Além disso, este texto hebraico ainda é mantido até hoje na biblioteca de Cesaréia que Panfílio o mártir estudiosamente reuniu. Recebi uma oportunidade dos Nazarenos de copiar este volume, que é usado em Bereia, cidade da Síria. Em tal evangelho, deve-se notar que, quer o evangelista, quer por sua própria pessoa quer pelo Senhor e Salvador, faz uso dos testemunhos das escrituras antigas, ele não segue a autoridade dos setenta tradutores, mas o hebraico." (Sobre Homens Famosos 3)

"O primeiro de todos é Mateus, um publicano codenominado Levi, que publicou um evangelho na Judéia na língua hebraica, especialmente em razão daqueles que creram no Messias dentre os judeus." (Prólogo dos Quatro Evangelhos)

"Por fim Mateus, que escreveu o evangelho na língua hebraica..." (Epístola a Damásio 20)

"No evangelho que os Nazarenos e os Ebionitas usam, que recentemente traduzimos do hebraico para o grego, e que é chamado por muitos de o autêntico de Mateus..." (Comentário sobre Mt. 12:13)

"No evangelho hebraico segundo Mateus está assim: Nosso pão para amanhã nos dá hoje, isto é, o pão que Tu nos darás no Teu Reino nos dá hoje." (Comentário do Sl. 135)

"E [os Nazarenos] têm o evangelho segundo Mateus bem completo no hebraico. Pois dentre eles ainda é claramente preservado, assim como foi escrito desde o princípio em letras hebraicas." (Panarion 29:9)

"No evangelho segundo os Hebreus, que de fato é escrito na língua Caldéia e Siríaca, mas em letras hebraicas, os quais os Nazarenos usam até hoje, segundo os emissários, ou como a maioria se refere a ele: segundo Mateus, o qual também é preservado na biblioteca de Cesaréia..." (Contra os Pelagianos 3:2)

"E [os Nazarenos] têm o evangelho segundo Mateus bem completo no hebraico. Pois dentre eles ainda é claramente preservado, assim como foi escrito desde o princípio em letras hebraicas." (Panarion 29:9)

Epifânio - século IV:

"E eles [seitas judaicas] próprios também aceitam o evangelho segundo Mateus... Mas eles o chamam 'segundo os Hebreus'." (Panarion 30:3)

"No evangelho que é chamado segundo os Hebreus, eu encontrei ao invés do pão supersubstancial, eu encontrei mahar (מהר), que significa "de amanhã", de modo que o sentido seria: Nosso pão de amanhã, isto é, o [pão] futuro dá nos hoje." (Comentário sobre Mt. 6:11)

Rabanus Maurus - século IX:

"Deve-se notar que no evangelho segundo os Hebreus que os Nazarenos e os Ebionitas usam, e que é chamado por muitos de o evangelho autêntico de Mateus..."

A Bíblia da Igreja Sírio-Ortodoxa é conhecida como Peshitta. Ela foi preservada milagrosamente da destruição até chegar ao ocidente no século XIX. É a versão padrão da Bíblia cristã no siríaco (ou aramaico), língua utilizada do Nazareno, da sua mãe e dos seus discípulos, nas igrejas de herança síria.

Enquanto a maior parte da igreja primitiva (ocidental) optou pela Septuaginta Grega, ou traduções, a partir dela, do Antigo Testamento, as igrejas siríacas tiveram seu texto traduzido diretamente do hebraico por volta do segundo século. Já o Novo Testamento da Peshitta tinha-se tornado o padrão até o início do quinto século, substituindo as duas primeiras versões Siríacas dos Evangelhos.

Os exemplares da Bíblia, com exceção dos pergaminhos do Mar Morto, são o Codex Vaticanus, conservado na Biblioteca do Vaticano e do Codex Sinaiticus ,no Museu Britânico. Mas a Igreja Anglicana obteve no século XIX, as cópias da Bíblia aramaica de Kerala, que se supõe ter sido tão antigas quanto às cópias preservadas no Vaticano e em Londres. Estes tesouros nacionais indianos estão agora na Universidade de Cambridge, no Reino Unido.

A Bíblia foi escrita originalmente em aramaico, hebraico e grego. No início do quinto século D.C., Jerônimo a traduziu totalmente para o latim. Embora esta versão da Bíblia, conhecida como Bíblia Vulgata, seja a principal versão majoritária utilizada pela Igreja Católica Romana (ICAR), existe outra versão guardada por um ramo do Cristianismo que tinha se estabelecido em Antioquia, na Síria. Sua versão da Bíblia supõe-se ter sido levada a Malabar, na Índia, com o Cristianismo no primeiro século D.C. Para este lugar, conforme a tradição, dirigiu-se Mar Thoma (São Tomé), um dos doze apóstolos do Messias. [...]

A comunidade cristã indiana em Malabar utilizou-se, desde o início, a versão da bíblia siríaca. Contudo, com a chegada de portugueses católicos romanos, em 1498, à Índia, apesar de ficarem felizes por encontrar uma comunidade cristã nativa em Malabar, se propuseram eliminar a influência do Patriarca de Antioquia da Igreja Indiana e pretendiam que os cristãos indianos transferissem sua aliança para o Papa, em Roma. Isto provocou conflitos frequentes entre os portugueses e a comunidade cristã indiana em Malabar, ao ponto de, em 1599, intentarem a destruição da "Bíblia siríaco-aramaica".

O clero siríaco não tinha suspeitado das más intenções dos portugueses, além de não conseguir salvar algum dos livros teológicos. Mas, providencialmente, o comunicado do Arcebispo Português Menezes de Goa de trazer volumes teológicos a Uday-Amperor, não havia chegado a uma das igrejas remotas da montanha do centro de Malabar. Por isso, uma cópia da versão siríaca da Bíblia escapou da destruição! Mais tarde, esta cópia passou a ser o mais preciso volume da Igreja Síria na Índia e um véu de segredo rodeou esta Bíblia, que estava "perdida". Seu paradeiro é pouco conhecido nos escalões superiores da Igreja Síria Ortodoxa. [...]

Para a Índia, é uma questão de grande orgulho que este país - cujas principais religiões incluem o Hinduísmo, o Islamismo, o Cristianismo, o Budismo, Jainismo e o Sikhismo, e o último refúgio do Zoroastrianismo e da fé judaica na Ásia -, tenha sido também o país onde tais cópias raras da Bíblia foram conservadas com êxito ao longo de séculos, até mesmo antes da Europa aceitar o Cristianismo.

O Manuscrito DuTillet

A versão hebraica DuTillet de Matitiyahu vem do manuscrito que foi confiscado dos judeus por parte da Igreja Católica, em Roma, no ano de 1553. Em 12 de Agosto de 1553, o papa Julius III assinou um decreto banindo o Talmud de Roma. Tal decreto foi executado justamente num Rosh HaShaná, em 9 de Setembro, e qualquer coisa que se parecesse com o Talmud ou fosse escrita em caracteres hebraicos foi confiscada dos lares e sinagogas judaicas. Na ocasião, o bispo francês Jean DuTillet estava visitando Roma. Ele ficou espantado ao ver um manuscrtio de Matitiyahu em meio aos demais manuscritos hebraicos. Possivelmente, tal manuscrito pertencera a uma família de judeus nazarenos que haviam ainda permanecido apesar das perseguições. DuTillet obteve o manuscrito e retornou à França, doando-o para a Bibliotheque Nationale de Paris, onde permanece até hoje como ms. hebraico 132.
Apesar de ignorado pela grande maioria da cristandade, muitos teólogos que avaliaram o manuscrito chegaram à conclusão de que o texto é anterior ao grego. Schonfield, por exemplo, escreve:

"... certas provas linguísticas... parecem apontar que o texto hebraico [DuTillet] é anterior ao grego, e que certas renderizações do grego podem ser devido a leituras equivocadas do original hebraico." (An Old Hebrew Text of St. Matthew's Gospel; 1927, p.17)

O Manuscrito Munster

O manuscrito Munster foi publicado por Sebastian Munster, um professor suíço de hebraico e aramaico, em 1537 (e republicado em 1557). A história de sua publicação é curiosa. Em seus livros acerca do hebraico, Munster frequentemente dava exemplos vindos de um manuscrito hebraico de Matitiyahu que ele havia recebido de judeus nazarenos. Após diversas solicitações de seus alunos, Sebastian Munster então publicou o seu manuscrito.

Em sua carta ao rei Henrique VIII, Munster afirma que o manuscrito que havia recebido não estava em estado perfeito de conservação, e possuía diversas lacunas no texto. Tais lacunas foram preenchidas pelo próprio Munster.

Contudo, em 1551, Johannes Quin-Quarboreus de Aurila, professor de hebraico e aramaico na College de France, e colega de Sebastian Munster, publicou uma versão do manuscrito Munster na qual indicava e comentava o preenchimento das lacunas feito por Munster. De possa das anotações de Munster, e também tendo como fonte outros manuscritos hebraicos ao qual teve acesso, Quin-Quarboreus fez revisões ao manuscrito, corrigindo alguns dos preenchimentos feitos por Munster.

Quin-Quarboreus afirma, no prefácio de sua edição do manuscrito, que o manuscrito de Munster e os demais manuscritos ao qual ele próprio teve acesso estavam em concordância com o manuscrito original em hebraico de Matitiyahu.

O Siríaco Antigo

Um fato relativamente desconhecido para o Cristianismo é a existência de dois manuscritos antigos em aramaico dos 4 livros das Boas Novas, datando do século 4. O primeiro foi descoberto pelo Dr. William Cureton em 1842, num monastério no Vale dos Lagos de Naton, no Egito.
Este manuscrito é conhecido como Codex Syrus Curetonianus, ou o Cureton, e se encontra no British Museum sob o número de 14451. O segundo foi descoberto pela Sra. Agnes Smith Lewis, em 1892, no monastério de Santa Catarina, próximo ao Monte Sinai, no Egito. O manuscrito é conhecido como Codex Syrus Sinaiticus, ou Siríaco Sinaitico, catalogado como Ms. Siríaco Sinaitico No. 30. Segundo Cureton, tais manuscritos seriam baseados no texto original dos apóstolos.
O Siríaco Antigo assemelha-se muito à Peshitta, contudo, a idade dos manuscritos e alguns fatores linguísticos levam a crer que a Peshitta tenha sido uma revisão do Siríaco Antigo. O principal indício é o de que ambas as famílias de manuscritos possuem um aramaico bem próximo do dialeto galileu do primeiro século, e com forte influência do hebraico.

Contudo, em alguns trechos, a Peshitta traz palavras que se aproximam mais do aramaico siríaco. Em tais trechos, o Siríaco Antigo preserva o dialeto galileu, dando fortes indícios de que a Peshitta deriva-se do Siríaco Antigo.

A Peshitta

O manuscrito dos Ketuvim Netsarim (Novo Testamento) da Peshitta é usado amplamente nas comunidades nestoriana e jacobita do Oriente. Apesar de seus manuscritos datarem dos séculos 4° e 5°, é possível comprovar que a Peshitta é anterior a tais datas. Uma das maiores evidências é o fato da Peshitta ser texto adotado por comunidades que foram rivais após o Concílio de Nicéia. Nenhuma das duas facções teria aceitado o manuscrito da outra. Portanto, é facilmente demonstrável que a Peshitta é anterior ao Concílio de Nicéia. Ao contrário do que alegam os que desconhecem a Peshitta, a mesma não se trata de uma tradução dos manuscritos gregos. Seus textos são por diversas vezes deveras diferentes das conhecidas famílias do grego, e em inúmeras passagens apontam para um texto sublinear ao grego - especialmente ao Texto Recebido, o qual deriva-se diretamente da Peshitta.

Nas palavras do patriarca da Igreja do Oriente, Mar Eshai Shimun:

"com referência à... originalidade do texto da Peshitta... desejamos declarar que a Igreja do Oriente recebeu as Escrituras das mãos dos próprios Apóstolos benditos no aramaico original, a língua falada pelo próprio nosso Senhor Yeshua o Messias..."
O termo "Peshitta" significa "simples", e foi dado porque a Peshitta é uma compilação simples das Escrituras nas línguas semitas.

O Judaikon

Fato pouco conhecido é o de que existem quase quarenta manuscritos de Matitiyahu no grego que trazem notas marginais sobre o texto original hebraico. A versão original é chamada de “Judaikon”, isto é, o “texto dos judeus”.

Cerca de treze notas marginais nos apontam para o texto hebraico. Em alguns casos, tais notas são confirmadas por Jerônimo, ou encontram eco também nos manuscritos hebraicos. Os trechos onde as notas sobre o “Judaikon” foram utilizadas se encontram devidamente referenciadas.

Observe Mateus 28:18-20

“E assim eles o tocaram e creram, convencidos tanto por Sua carne quanto por Seu espírito. E, aproximando-se Yeshua, falou-lhes, dizendo: “Assim como meu Pai me enviou eu também vos envio. Foi-me dada toda a autoridade no céu e na terra. Portanto ide, fazei talmidim em todas as nações EM MEU NOME; ensinando-os a observar todas as coisas que eu vos tenho mandado; e eis que eu estou convosco todos os dias, até a consumação dos séculos.”

28:19 – Todas as citações de Eusébio trazem o texto dessa forma, omitindo qualquer menção a imersão trinitária. Shem Tob também omite a fórmula trinitária – o que também é um fato muito relevante, considerando-se que Shem Tob foi achado em meio a uma obra anti-missionária, e o batismo trinitário seria um forte argumento contrário à fé.

Confira abaixo o texto de Mateus 28:19 da tradução do Evangelho Hebraico de Mateus, publicada em 1995, pelo erudito George Howard:

Mateus 28:18-20 em Hebraico:

18 Yeshua, aproximando-se deles, disse-lhes:
Toda a autoridade me foi dada no céu e na terra.
19 Ide
20 e ensinai-os a observar todas as coisas
que vos ordenei para sempre.

QUEM FOI BATIZADO NA TRINDADE É CATÓLICO?

A Igreja Católica Apostólica Romana no seu catecismo, reconhece como um católico, todo aquele ou aquela que foi batizado em nome da trindade!

Ver o texto logo abaixo, do Catecismo Católico, pág. 353-354, parágrafos §1271 e §1278. “O Batismo constitui o fundamento da comunhão entre todos os cristãos, também com os que ainda não estão em comunhão plena com a Igreja católica: "Com efeito, aqueles que creem em Cristo e foram validamente batizados acham-se em certa comunhão, embora não perfeita, com a Igreja católica. (...) Justificados pela fé no Batismo, são incorporados a Cristo e, por isso, com razão, são honrados com o nome de cristãos e merecidamente reconhecidos pelos filhos da Igreja católica como irmãos no Senhor".

O Catecismo Católico, pág. 353, § 1271. “O rito essencial do Batismo consiste em mergulhar na água o candidato ou em derramar água sobre sua cabeça, pronunciando a invocação da Santíssima Trindade, isto é, do Pai, do Filho e do Espírito Santo.”

O Catecismo Católico, pág. 354, § 1278
"O Batismo em Nome de Jesus na fórmula trinitária é, em si válido.” Diretório para a Aplicação dos Princípios e Normas sobre o Ecumenismo, pág. 92. “O movimento ecumênico visa a superar estes obstáculos. No entanto, justificados no Batismo pela fé, são incorporados a Cristo, e, por isso, com direito se honram com o nome de cristãos e justamente são reconhecidos pelos filhos da Igreja católica como irmãos no Senhor.” Decreto Unitatis Redintegratio Sobre o Ecumenismo, pág. 13.

“Todavia, as divisões dos cristãos impedem a Igreja de realizar a plenitude de catolicidade que lhe é própria naqueles filhos que, embora incorporados pelo Batismo, estão separados da sua plena comunhão.” Decreto Unitatis Redintegratio Sobre o Ecumenismo, pág. 13, parágrafo 4.

No livreto que promove o ecumenismo, por nome “Há Um só Rebanho”, vendido também nas Edições Paulinas, deixa claro que qualquer pessoa que queira se tornar católico, não precisa ser rebatizado, se já o foi na fórmula da igreja mãe! Casamentos já estão ocorrendo na ICAR, sem a necessidade de primeira comunhão ou qualquer formalidade, bastando a apresentação do certificado de batismo das igrejas abaixo listadas.

“Diversas igrejas batizam, sem duvida validamente; por esta razão, um cristão batizado numa delas não pode ser rebatizado, nem sequer sob condição. Consequentemente, as certidões de batismo delas valem, para nós, com se fossem certidões da Igreja Católica. São elas: Igrejas orientais, episcopais do Brasil, Luteranas, Metodistas, Presbiterianas, Congregacionais, Batistas e Adventistas.” Haverá Um só Rebanho, pág. 251-252 - Edições Loyola de 1989.

ENCICLOPEDIA BRITÂNICA, 11a Edição, Vol.3 Pg. 365-366, "A fórmula batismal foi mudada do nome de Jesus Cristo para as palavras Pai, Filho e Espírito Santo pela Igreja Católica no 2º Século.” Volume 3 pág.82

"Sempre nas fontes antigas menciona que o batismo era em Nome de Jesus Cristo.”.
ENCICLOPEDIA DA RELIGIÃO - CANNEY, pg. 53 --

"A religião primitiva sempre batizava em Nome do Senhor Jesus até o desenvolvimento de doutrina da trindade no 2° Século.”.
ENCICLOPÉDIA CATÓLICA DE 1913, Vol. 2, pg. 365,

Aqui o Católico reconhece que o batismo foi mudado pela Igreja Católica.”.
ENCICLOPÉDIA DA RELIGIÃO - HASTINGS, Vol.2 pg. 377-378-389. "O batismo cristão era administrado usando o nome de Jesus. O uso da fórmula trinitariana de nenhuma forma foi sugerida pela história da igreja primitiva; o batismo foi sempre em NOME do Senhor Jesus até o tempo do mártir Justino quando a fórmula da trindade foi usada." Na página 377, do Vol. 2, Hastings comentando Atos 3:28, diz: "NOME é o antigo sinônimo de pessoa. Pagamento foi sempre feito em nome de alguma pessoa, referindo-se a propriedade. Portanto alguém batizado em nome de Jesus torna-se sua propriedade pessoal." Nova Enciclopédia Internacional, Vol. 22 pg. 477,

"O termo "trindade" se originou com Tertuliano, padre da Igreja Católica Romana.”.
“Nossos oponentes (protestantes) às vezes reivindicam que nenhuma crença deveria ser dogmatizada que não é explicitamente declarada na Bíblia (ignorando que é somente na autoridade da Igreja que nós conhecemos a certeza dos evangelhos, e não outros como verdadeiros). Mas as igrejas protestantes por elas mesmas tem aceitado tais dogmas como a TRINDADE pela qual não há nenhuma autoridade precisa nos evangelhos.”Revista Vida, 30 de outubro de 1950.

“O MISTÉRIO DA TRINDADE é a doutrina central da fé católica. Sobre essa doutrina estão baseados todos os outros ensinos da Igreja.” Manual para o Católico de Hoje, pág. 16. (Apocalipse 17.5 nos diz: "E na sua testa estava escrito o nome: MISTÉRIO, a grande babilônia, a mãe das prostituições e abominações da terra.")

“Como erros fundamentais nós poderíamos classificar como este falso sábado [o domingo], outros erros que os protestantes trouxeram da Igreja Católica, como o batismo por aspersão, e A TRINDADE. O grupo que abraçou estes erros fundamentais fez isso ignorantemente, mas poderia a Igreja de Cristo levar junto de si estes erros até as cenas do julgamento que há de vir sobre o mundo? Nós acreditamos que não.” Review and Herald, 12 de setembro de 1854. Ênfase acrescentada.

O Catecismo do Vaticano confessa que o texto foi mudado:

Tradução de trecho da pág. 164:

Em Cristo. Na Bíblia nos diz que os Cristãos foram batizados em Cristo. (n°6) Eles pertencem a Cristo. Em Atos dos Apóstolos (2:36--8:16--10:48--19:5) nos diz: "batizando em nome [pessoa] de Jesus". Uma melhor tradução diria: "para o nome [pessoa] de Jesus." Unicamente no 4° Século a fórmula "Em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo" tornou-se uma prática costumeira.

Tradução de trechos da pág. 166:

Em adição, nós vimos como a igreja primitiva batizava: Primeiro o anúncio do Evangelho... Posteriormente a Fé e o arrependimento, os quais eram selados (confirmados) e aperfeiçoados pelo batismo "em nome [pessoa] de Jesus Cristo". É por isso que nos chamamos "Cristãos", expressão que significa gente relacionada de forma especial com Cristo. Mais tarde, [o batismo] "no nome de Jesus" foi elaborado e tornou-se "no nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo".

A mais recente edição da Bíblia de Jerusalém, Nova Edição, Revista e Ampliada, lançada em agosto de 2002 pela Igreja Católica, em nota de rodapé a Mateus 28:19, admite que a frase "batizando-os em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, tenha sido acrescentada posteriormente ao Livro de Mateus:

"É possível que, em sua forma precisa, essa fórmula reflita influência douso litúrgico posteriormente fixado na comunidade primitiva. Sabe-se que o livro dos Atos fala em batizar "no nome de Jesus" (Cf.at. 1,5+;2,38+). Mais tarde deve ter-se estabelecido a associação do batizado às três pessoas da Trindade...”.

Os apóstolos batizavam só em nome de Jesus. -- Atos 2:38; Atos 8:12; Atos 8:16; Atos 10:47-48; Atos 19:5; Atos 22:16; Efésios 4:5; Romanos 6:3-4; Gálatas 3:27; Colossenses 2:11-12; Colossenses 3:17.

Em 1960, a Sociedade bíblica Britânica e Estrangeira publicaram um Novo Testamento em Grego e a alternativa apresentada para Mateus 28:19 foi “em to onomati mou” (“EM MEU NOME”)

Comparando o passo de Mateus com o seu correspondente em Marcos:

Mateus 28

18. Jesus, aproximando-se deles, falou: “Todo poder foi me dado no céu e sobre a terra. 19. Ide, portanto, e fazei que todas as nações se tornem discípulos, batizando-as em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, 20. e ensinando-as a observar tudo quanto vos ordenei a vocês. E eis que estou convosco todos os dias, até a consumação dos séculos!”.

Marcos 16

15. E disse-lhes: “Ide por todo o mundo, proclamai o Evangelho a toda criatura.16. Aquele que crer e for batizado será salvo; o que não crer será condenado”.

Marcos foi o primeiro Evangelho a ser escrito, e não se fala absolutamente nada sobre batizar em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo e que, além disso, nos Evangelhos de Lucas e João não se faz a mínima referência sobre o que aqui se encontra nestes dois.

David Flusser (1917-2000), historiador e professor da Universidade Hebraica de Jerusalém:

"De acordo com os manuscritos de Mateus que foram preservados, o Jesus ressuscitado ordenou aos seus discípulos batizar todas as nações “em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo”. A fórmula trinitária franca, aqui, é de fato notável, mas já foi mostrado que a ordem para batizar e a fórmula trinitária faltam em todas as citações das passagens de Mateus nos escritos de Eusébio anteriores ao Concílio de Niceia. O texto de Eusébio de Mt 28:19-20 antes de Niceia era o seguinte: “Ide e tornai todas as nações discípulas EM MEU NOME, ensinando-as a observar tudo o que vos ordenei”. Parece que Eusébio encontrou essa forma do texto nos códices da famosa biblioteca cristã em Cesaréia. Esse texto mais curto está completo e coerente. Seu sentido é claro e tem seus méritos óbvios: diz que o Jesus ressuscitado ordenou que seus discípulos instruíssem todas as nações em seu nome, o que significa que os discípulos deveriam ensinar a doutrina de seu mestre, depois de sua morte, tal como a receberam dele." (FLUSSER, 2001, p. 156, grifo nosso).
_______
75 Ver D. Flusser, "The Conclusion of Matthew in a New Jewish Christian Source", Annual of the Swedish Theological lnstitute,vol. V, 1967, Leiden, 1967, pp. 110-20; Benjamin J. Hubbard, “The Matthean Redaction of a Primitive Apostolic Commissioning", SBL, Dissertation Series 19, Montana, 1974. Mais testemunho da conclusão não-trinitária de Mateus está preservado num texto copta (ver E. Budge, Miscelleaneous Coptic Texts, Londres, 1915, pp. 58 e seguintes, 628 e 636), onde é descrita uma controvérsia entre Cirilo de Jerusalém e um monge herético. "E o patriarca Cirilo disse ao monge: 'Quem te mandou pregar essas coisas?' E o monge lhe disse: 'O Cristo disse: Ide a todo o mundo e pregai a todas as nações EM MEU NOME em cada lugar". O texto é citado por Morcon Smith, Clement of Alexandria and a Secret Cospel of Mark, Harvard University Press, Cambridge, Mass, 1973, p. 342-6. (FLUSSER, 2001, p. 170, grifo nosso).

Pepe Rodríguez, jornalista:

[…] a Igreja, ao basear-se em Mt 28,19, para afirmar que é católica, “porque a missão que lhe foi atribuída por Cristo se refere à totalidade do género humano”, comete dois atropelos. Por um lado, baseia-se num versículo que é uma interpolação, dado tratar-se de um versículo que foi posteriormente acrescentado ao texto original de Mateus. […]. (RODRÍGUEZ, 2007, p. 210, grifo nosso).

Geza Vermes (1924- ), um dos maiores especialistas em história do cristianismo:

[…] Nos programas missionários anteriores, não houve questão quanto ao batismo, e menos ainda quanto a batizar nações inteiras. Além disso, o batismo administrado em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo não tem precedente não só nos Evangelhos, mas também em qualquer lugar de todo o Novo Testamento. A fórmula que ocorre em Atos dos Apóstolos é batismo “em nome de” Jesus (At 2,38; 8,16; 10,48; 19,5) e, em Paulo, batismo “em Cristo” (Rm 6,3; Gl 3,27). Fora de Mateus, a fórmula trinitária, Pai, Filho e Espírito Santo ocorre pela primeira vez no manual litúrgico da igreja primitiva intitulado Didaqué ou Instrução dos Doze Apóstolos, que é datado da primeira metade do século II d.C. Tudo isso aponta para uma origem tardia de Mt 28,18-20. […]. (VERMES, 2006b, p. 377-378, grifo nosso).

Estes três estudiosos são unânimes em considerar o texto de Mt. 28:19 como acréscimo posterior, o que significa que não consta dos manuscritos mais antigos. Isso é mais uma prova de que Yeshua jamais disse tal coisa.

Em algumas discussões cristológicas recentes, a designação tripartite incluída em textos padrões de Mateus 28:19 são frequentemente suspeitas. O problema é que ele soa muito trinitário para ser incluído nas palavras originais de Mateus. Como resultado, alguns eruditos modernos tem sugerido que o final do evangelho de Mateus poderia bem ter sido adicionado por escribas posteriores sob a influência das controvérsias trinitárias que enredaram na Igreja Cristã nos séculos 3° e 4°.

A evidência primária onde tais sugestões se baseiam é a citação ou alusão a este texto nos escritos de Eusébio. Como exemplo, nós podemos notar suas palavras na História Eclesiástica, Livro III.5.ii:

"Depois da ascensão de nosso Salvador, os judeus acrescentaram ao crime cometido contra ele a invenção de inúmeras ameaças contra seus apóstolos: Estevão foi o primeiro que eliminaram, apedrejando-o ; depois dele, Tiago, filho de Zebedeu e irmão de João, a quem decapitaram ; e depois de todos, Tiago, o que depois da ascensão de nosso Salvador foi o primeiro designado para o trono episcopal de Jerusalém e morreu da forma que já descrevemos. E os demais apóstolos sofreram milhares de ameaças de morte e foram expulsos da terra da Judéia. Porém, com o poder de Cristo, que havia-lhes dito: Ide e fazei discípulos de todas as nações EM MEU NOME , dirigiram seus passos para todas as nações para ensinar a mensagem."

Com base nesta citação de Eusébio bem como a aparente "fórmula batismal" de Atos e as epístolas, alguns comentadores tem sugerido que a frase tripartite do versículo 19 é uma interpolação litúrgica ou expansão das palavras originais de nosso Mestre, que ordenou o batismo "EM MEU NOME" ao contrário de no "nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo". Hagner explica:

“O nome triplo (no máximo somente um trinitarismo nascente) no qual o batismo seria efetuado, de outra forma, parece claro que é uma expansão litúrgica do evangelista conforme a prática de seus dias (assim Hubbart; cf Didymus 7.1). Há uma boa possibilidade que em sua forma original, como testemunhado pela forma ante-nicena de Eusébio, o texto era lido "fazer discípulos EM MEU NOME" (veja Conybeare). Esta leitura menor preserva o ritmo simétrico da passagem, ao passo que a fórmula triádica se encaixa inadequadamente na estrutura assim como alguém poderia esperar se ela fosse uma interpolação.” Donald A. Hagner, Mateus 14-28, vol 33b no The Word Bible Commentary (Word, 1995), pág. 887-88.

Mas mesmo Hagner não nega que a designação tripartite é original ao evangelho de Mateus, só que Mateus deve ter expandido por sua conta as palavras de Yeshua:

"Em contraste com o batismo de João, este batismo traz uma pessoa para uma existência que é fundamentalmente determinada: Pai, Filho e Espírito Santo (εἰς τὸ ἐμόν ὄνομα, "EM MEU NOME", em 18:20). Donald A. Hagner, Mateus 14-28, vol 33b no The Word Bible Commentary (Word, 1995), pág. 888."

Nós devemos ter cuidado para não sermos persuadidos por enganosa pseudo-erudição frequentemente encontrada em nossos dias. Por exemplo, Willis extrai uma citação do comentário de R. V. G. Tasker sobre Mateus fazendo-o parecer como se o autor desta exposição concordasse que a frase tripartite não é original no evangelho de Mateus.
Willis escreve:

O comentário do Novo Testamente de Tyndale, I, 275:

"É frequentemente afirmado que as palavras no nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo não são as ipsissima verba [exatas palavras] de Jesus, mas...uma adição litúrgica posterior.
Isto não é para negar o fato de que alguns eruditos modernos consideram que a frase tripartite de Mateus 28:19 é uma "interpolação tardia". Por exemplo, Bultmann escreve:
O que batiza nomes sobre o que está sendo batizado o nome do "Senhor Jesus Cristo", depois expandido para o nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo (primeiro atestado em Did. 7:1,3, Justino Apol. 61:3, 11, 13; também encontrado em Mt 28:19, mas esta é talvez um caso de interpolação tardia."

O Batismo cristão indicava uma fórmula monódica consistente em nome de Yeshua:

Ὡς οὖν ἔγνω ὁ Ἰησοῦς ὅτι ἤκουσαν οἱ Φαρισαῖοι ὅτι Ἰησοῦς πλείονας μαθητὰς ποιεῖ καὶ βαπτίζει ἢ Ἰωάννης Jo 4:1

Portanto souberam os fariseus que Yeshua fazia mais discípulos e batizava mais do que João.

καίτοιγε Ἰησοῦς αὐτὸς οὐκ ἐβάπτιζεν ἀλλ᾽ οἱ μαθηταὶ αὐτου Jo 4:2

Se bem que Yeshua mesmo não batizava pelo contrário os discípulos dele o faziam.

καὶ βαπτισθήτω ἕκαστος ὑμῶν ἐπὶ τῷ ὀνόματι Ἰησοῦ Χριστοῦ At 2:38

E seja batizado cada de vós sobre no nome de Yeshua HaMashiach

βεβαπτισμένοι ὑπῆρχον εἰς τὸ ὄνομα τοῦ κυρίου Ἰησοῦ. At 8:16

Tendo sido batizados para o nome do senhor Yeshua

προσέταξεν δὲ αὐτοὺς ἐν τῷ ὀνόματι Ἰησοῦ Χριστοῦ βαπτισθῆναι At 10:48

Pôs em ordem, porém os batizava em o nome de Yeshua HaMashiach

ἀκούσαντες δὲ ἐβαπτίσθησαν εἰς τὸ ὄνομα τοῦ κυρίου Ἰησοῦ, At 19:5

Tendo ouvido, porém, foram batizados em o nome do senhor Yeshua


Nenhum comentário: